Portal Gesbanha

Quarta, 23 Out de 2019
Text size
  • Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size
Artigos de Opinião A Iniciativa Elevator Pitch

A Iniciativa Elevator Pitch

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF
Avaliação: / 2
FracoBom 
Indíce do artigo
A Iniciativa Elevator Pitch
Pt. 2
Pt. 3
Todas as páginas

Uma pequena introdução

O conceito de Elevator Pitch foi introduzido pela Gesventure em Portugal há cerca de 10 anos visando sobretudo despertar os investidores para uma nova vaga de projectos e de empreendedores, fazendo com que estes, em escassos minutos, “vendessem” a sua ideia/projecto na tentativa de captarem o interesse dos investidores e assim se proporcionar a marcação de uma primeira reunião para discussão do Business Plan.

Esta iniciativa que normalmente se insere nos dois Congressos que organizamos anualmente - o VCIT e o Encontro Gesventure - tem por base os projectos que vamos recebendo na Organização, sendo préviamente uma triagem daqueles projectos/empreendedores que quanto a nós reúnem melhores condições de êxito para a angariação de capital.

No nosso caso um empreendedor que vá ao Elevator Pitch já passou pela nossa triagem inicial, ou seja, já teve que demonstrar à Gesventure o seu potencial e do projecto que possui e que estará em condições de cativar da melhor maneira o investidor para o “round de financiamento “ que o mesmo pretende obter.


Princípio do mágico adaptado ao pitching

Qualquer empreendedor está habilitado a fazer o seu próprio “pitch”, quer este se destine à procura de parceiros comerciais (ex.: presença em feiras), procura de equipa de gestão (novo conceito que tem estado a despertar muitos interessados em Londres – pitch for management), venda de um produto (sales pitch) ou à procura de capital que é o principal enfoque dos Elevator Pitch que promovemos. Porém, entre realizar um “pitch” que cai habitualmente na auto-promoção e um que vá de encontro ao interesse dos seus visados, pode haver uma grande diferença.
O que vamos dizer sobre como apresentar um Elevator Pitch não difere muito do senso comum, mas como sabemos o problema com o senso comum, é que este nem sempre é assim tão comum até que alguém nos explica.
De facto é um pouco como o “princípio do mágico” no qual se imagina que depois de se assistir a um espectáculo de magia se vai ter com o Mágico e lhe perguntamos como é que ele conseguiu fazer aquela maravilha? Ele conta-nos… e pensamos, bom que óbvio. Sempre pensávamos que fosse isso, já sabíamos…


Preparação prévia

Antes de participar numa sessão de Elevator Pitch a uma comunidade de investidores os empreendedores devem realizar um conjunto de sessões de treino das quais saliento as seguintes iniciativas:

Marque um cronómetro para 1 minuto e faça o seu pitch nesse tempo. Peça aos que o ouvem para escreverem uma frase onde explique o que a sua organização faz. Recolha essas frases e compare-as com aquilo que acha que disse.

Grave-se em vídeo a fazer o pitch. Se não se envergonhar com o que fez, vamos a isso!

Em todo o caso não deve esquecer que :

(i) No primeiro minuto deve responder à questão: O que é que a sua organização faz?”

(ii) Nunca faça referências pessoais no início de um pitch.

(iii) 10 ou menos slides com um tamanho de letra de 30, são boas práticas a adoptar.

Ouça, tome notas, crie e acompanhe o que os seus interlocutores lhe transmitem e no final de cada um dos treinos faça uma sumarização de tudo o que lhe pareceu bem e menos bem e diga-o em voz alta, para assegurar que tem a informação correcta.

No caso particular do “Elevator Pitch” é muito importante a capacidade oratória do empreendedor, uma vez que terá de ser ele na primeira pessoa a fazer a apresentação junto do investidor, e aí a capacidade que ele possua de transmitir as ideias básicas do negócio e aquelas que podem levar o investidor a dar o “sim” para a primeira reunião é fundamental. Por muito que apoiemos os empreendedores na apresentação visual do Elevator Pitch, a apresentação oral é fundamental e imprescindível, podendo e devendo esta ser obrigatoriamente muito treinada.

Apesar do esforço realizado por vezes chegamos à conclusão que alguns empreendedores podem ser óptimos “vendedores” sentados a uma mesa, mas manifestarem total incapacidade perante uma audiência. Nesse caso torna-se importante identificar essa realidade o mais cedo possível pois a mesma não inviabiliza a apresentação do projecto desde que a mesma possa ser assegurada por outro elemento da equipa de gestão ou até mesmo por algum consultor externo contratado para o efeito pois o empreendedor não tem obrigatoriamente de possuir as capacidades oratórias à realização do referido Elevator Pitch.

Não esquecer igualmente que um grupo de empreendedores, deve ter sempre um elemento na equipa, quando vão participar nas sessões de elevator pitch com a citada comunidade de investidores que esteja atento a tudo, que escreve, tira notas do que é dito, do que se passa pois isso demonstra a complementaridade e qualidade da equipa.

Torna-se assim necessário, desde a fase de preparação, saber quem é o elemento do Grupo que vai ficar com essa responsabilidade pois torna-se particularmente importante que quando terminarem a vossa exposição fiquem abertos ao que os investidores dizem.

A verdade é que ouvir ideias para melhorar é uma atitude muito positiva a ter num pitch, onde as mais pequenas acções causam a maior das impressões.

 



Actualizado em ( Terça, 23 Junho 2009 16:18 )  

Fotografia



Instalações do Grupo Gesbanha
Localização

Gesbanha - Entidade Certificada

 

Entidade Certificada

 

A Gesbanha é uma entidade Certicada pela APCER com a certificação ISO 9001.

Sites Recomendados

Até onde pode ir?
Apresentamos-lhe aqui links para sites que recomendamos a sua visita.

Sondagem

O que acha do novo site?
 

Em Destaque

 

Parceria com a Faculdade de Economia da Universidade do Algarve

Parceria com a Universidade de Econ...

 

Feira de Empreendedorismo Júnior em Tondela

Os projetos vencedores do 2º ciclo...

 

10 anos a criar novas Gerações de Empreendedores

A GesEntrepreneur - Empreendedori...

 

Um Concelho amigo do emprego e das empresas

No âmbito da orientação estraté...